InglêsEspanholFrancêsItaliano
Tramagal | Vinhos da Coelheira conquistam medalhas de ouro na China

Tramagal | Vinhos da Coelheira conquistam medalhas de ouro na China

Os vinhos do Casal da Coelheira, de Tramagal, conquistaram três Medalhas de Ouro e uma de Prata no Concurso Mundial de Bruxelas 2018, concurso que decorreu este ano em Pequim, na China, e que contou com 9080 vinhos a concurso, oriundos de 48 países.

O Casal da Coelheira destacou-se neste concurso ao conquistar a Medalha de Ouro com os vinhos Casal da Coelheira Reserva tinto 2015, Casal da Coelheira Private Collection tinto 2015 e Mythos 2015, e a Medalha de Prata com o Casal da Coelheira tinto 2015.

Nuno Rodrigues, enólogo e proprietário da adega Casal da Coelheira, em Tramagal. Foto: DR

“A conquista destas medalhas é motivo de grande orgulho e satisfação, tendo nós partido confiantes para este concurso mundial mas com alguma modéstia, ou não estivéssemos perante as maiores estrelas mundiais em termos de produtores”, disse ao mediotejo.net o enólogo Nuno Rodrigues, responsável pela adega Casal da Coelheira, à chegada a Portugal.

Vinhos da Coelheira conquistaram medalhas de ouro e prata no Concurso Mundial de Vinhos. Foto: DR

“A China é um mercado de extremos, com procura, por um lado, de um vinho mais concorrencial em termos de preço e, por outro, com procura para um consumidor mais conhecedor e que valoriza a qualidade”, observou, tendo referido que o Casal da Coelheira, com este reconhecimento público naquele país, o quinto maior consumidor de vinho do mundo, ganha em visibilidade e posicionamento perante os consumidores.

Assinar nossa Newsletter
Na lista dos países europeus que em 2017 exportaram mais vinho para a China, encabeçada pela França, Portugal ficou no 4.º lugar, atrás de Espanha e Itália. Foto: DR

“Sinto que há um amadurecimento do mercado chinês relativamente ao conhecimento de vinhos e o nosso posicionamento no mercado vai para os mais conhecedores mas com exportação em toda a linha da nossa gama” de vinhos, sendo estas distinções um fator acrescido de visibilidade pela qualidade, acrescentou.

Também já são conhecidos os resultados do Concurso de Vinhos de Portugal, que decorreu no CNEMA, em Santarém, perante 1300 vinhos a concurso. Os produtos do Casal da Coelheira conquistaram mais ouro, nomeadamente uma Medalha Grande Ouro com o Casal da Coelheira Private Collection Tinto 2015, e uma medalha de ouro com o Casal da Coelheira Private Collection Branco 2017.

“Foi uma semana em cheio”, brindou Nuno Rodrigues.

Prova de vinhos de Tramagal na China. Foto: DR

Vinhos portugueses arrecadam 324 medalhas no Concours Mondial de Bruxelles

Os vinhos de Portugal arrecadaram 324 medalhas, incluindo 17 de Grande Ouro e 115 de Ouro, no prestigiado Concours Mondial de Bruxelles, que este ano decorreu em Pequim, revelou fonte da organização do evento.

A 25.ª edição do Concours Mondial de Bruxelles contou com a participação de 9.080 vinhos, oriundos de 48 países.

As restantes medalhas arrecadadas pelos vinhos portugueses foram de prata.

O número de vinhos portugueses premiados caiu relativamente à edição do ano passado, quando 368 receberam medalhas. Já os vinhos distinguidos com medalhas de Grande Ouro – a mais alta classificação – aumentaram em dois.

Os vinhos foram avaliados por um painel de mais de 330 jurados, nomeadamente escanções, compradores, importadores, jornalistas e críticos de vinho provenientes de todo o mundo.

A edição do próximo ano terá lugar em Aigle, na Suíça.

A realização do evento este ano em Pequim representa uma estreia do Concours Mondial de Bruxelles na Ásia e ilustra a crescente importância do mercado chinês para o setor.

Segundo a Organização Internacional da Vinha e do Vinho, a China é já o 5.º país em termos de consumo absoluto de vinho, a seguir aos Estados Unidos, França, Itália e Alemanha.

Existe uma “verdadeira estratégia” e “vontade política” no país asiático para impulsionar o setor do vinho, por motivos “económicos, ambientais e de saúde pública”, disse à agência Lusa Thomas Costenoble, diretor do Concours Mondial de Bruxelles.

“O governo quer diminuir o consumo do álcool e, por isso, tem de trazer outras soluções para os consumidores. E ao promover o desenvolvimento da indústria vitícola, consegue também repovoar regiões que estavam praticamente desertas, devido ao abandono de algumas indústrias, nomeadamente a mineração, como é o exemplo da Mongólia interior [noroeste]”, explicou.

Na lista dos países europeus que em 2017 exportaram mais vinho para a China, encabeçada pela França, Portugal ficou no 4.º lugar, atrás de Espanha e Itália, segundo dados do centro de pequenas e médias empresas da União Europeia.

 

Fonte: MedioTejo

 

Siga-nos nas Redes Sociais:
RSS
Seguir por E-mail
Twitter
YouTube
Pinterest
Instagram
Comentários do Facebook
close

Siga-nos nas Redes Sociais!