InglêsEspanholFrancêsItaliano
Brasil é destaque do principal prêmio da indústria vinícola chilena

Brasil é destaque do principal prêmio da indústria vinícola chilena

Vinhos brasileiros são destacados com importantes premiações em Prêmio que qualifica as produções do Cone Sul

Por Victor Farinelli

Dez medalhas e o troféu de Melhor Espumante do Cone Sul posicionaram o Brasil como uma das indústrias mais destacadas do mercado latino-americano na edição de 2018 do Catad’Or Wine Awards, o mais importante prêmio da indústria vinícola do Chile. Apesar do pouco reconhecimento a nível nacional das produções brasileiras, o país foi o segundo maior premiado.

A estrela desta seleta lista foi o espumante Garibaldi Moscatel, da Cooperativa Vinícola Garibaldi, da Serra Gaúcha, que conquistou uma medalha de Grande Ouro e o troféu de Melhor Espumante do Cone Sul, um dos oito reconhecimentos especiais entregues.

Além desses prêmios, o Brasil também conseguiu medalhas de outro e prata, ratificando seu alto nível e variedade em espumantes, além de se destacar também entre os brancos, como o Chardonnay.

A premiação teve lugar no Teatro Municipal de Santiago, e marcou também o lançamento do Catad’Or Wine Festival – evento internacional e itinerante aberto ao público – e do Catad’Or Latin American Wine Guide, guia de pontuação preparada junto com o Master of Wine britânico e presidente do jurado de 2018, Alistair Cooper.

Assinar nossa Newsletter

A atual edição foi a de número 23 da história do evento, e contou com uma de suas maiores participações internacionais. O jurado foi composto por 45 especialistas, que tiveram a missão de degustar e qualificar mais de 600 vinhos, espumantes, piscos e destilados provenientes de 14 países e 4 continentes. Entre tantos concorrentes, a indústria brasileira colheu importantes resultados, com 10 medalhas e um troféu.

Medalhas do Brasil no Catad’Or Wine Awards 2018

Grande Ouro

  • Cooperativa Vinícola Garibaldi: Espumante Garibaldi Moscatel – Serra Gaúcha, Brasil

Ouro

  • Vinícola Geisse: Espumante Cave Amadeu Rosé Brut – Pinto Bandeira, Serra Gaúcha, Brasil
  • Vinícola Geisse: Espumante Cave Geisse Extra Brut – Pinto Bandeira, Serra Gaúcha, Brasil
  • Cooperativa Vinícola Garibaldi: Espumante Garibaldi Prosecco – Serra Gaúcha, Brasil
  • Casa Valduga: Casa Valduga Gran Leopoldina Chardonnay D.O. – Vale dos Vinhedos, Serra Gaúcha, Brasil
  • Vinícola Aurora: Espumante Aurora Moscatel Branco – Serra Gaúcha, Brasil
  • GPA – Cia. Brasileira de Distribuição: Club des Sommeliers Sauvignon Blanc 2018 – Valle Central, Chile
  • GPA – Cia. Brasileira de Distribuição: Club des Sommeliers Carmenere 2017 – Valle Central, Chile
  • GPA – Cia. Brasileira de Distribuição: Club des Sommeliers Carmenere Gran Reserva 2017 – Valle Central, Chile

Prata

  • Vinícola Salton: Espumante Salton Intenso Bubbles Moscato – Serra Gaúcha, Brasil

Carménères e assemblages

O jurado foi composto por enólogos, jornalistas especializados, sommeliers e outros profissionais de 14 países, e teve a missão de degustar e qualificar 601 etiquetas, durante três jornadas de catas a cegas, das quais surgiram as 197 medalhas.

Entre as análises mais importantes da edição sobressaiu a aparição do Carménère como o varietal mais destacado e a consolidação da assemblage como uma tendência de consumo e produção na América Latina. Ambas as variedades chegaram a somar mais de 40% dos ouros e grandes ouros do certame.

Pablo Ugarte, diretor do prêmio, destacou a grande participação e a qualidade mostrada na edição deste ano, especialmente com respeito aos competidores internacionais, o que abre espaço para uma nova etapa na história do evento. “Estamos muito satisfeitos com os resultados, a deste ano foi uma das melhores edições do Catad’Or e nos deixa ainda mais orgulhosos pela internacionalização que estamos experimentando”.

O diretor também destacou o grande momento da indústria latino-americana no mercado mundial: “estamos convencidos de que os vinhos latinos têm grande potencial nos mercados de alto consumo. Somos percebidos como uma unidade geográfica, mais que como países separados. Isso é uma oportunidade, para que encaremos o mercado integrados, já que pouco a pouco o mundo começa a entender que a América do Sul é muito mais que Cabernet Sauvignon e Carménère do Chile, ou Malbec da Argentina ou Tannat do Uruguai”, explicou.

Todo o processo de avaliação do Catad’Or Wine Awards é desenvolvido de acordo às normativas da Organização Internacional da Vinha e do Vinho (OIV) e da União Internacional de Enólogos.

A expansão do Catad´Or 2018

Em seus 23 anos de trajetória, o Catad’Or Wine Awards foi se transformando em uma das premiações mais importantes da indústria, que acompanha de perto suas avaliações, análises e atividades.

Este 2018 é um ano crucial para a história do evento, já que seus diretores decidiram levar o Catad’Or ao mundo e aos consumidores, anunciando uma interessante programação que será impulsada após o fim desta edição de 2018. Entre as novidades se encontra o lançamento da primeira temporada do Catad’Or Wine Festival, em Santiago do Chile, com agenda itinerante que percorrerá diferentes cidades da América Latina, Europa e Ásia. Além do Catad’Or Latin American Wine Guide, um guia de pontuação preparado pelo Master of Wine, Alistair Cooper, presidente do jurado 2018, junto com Pablo Ugarte, diretor do Catad’Or Wine Awards e jurado em vários concursos internacionais.

 

Fonte: GGN

 

Siga-nos nas Redes Sociais:
RSS
Seguir por E-mail
Twitter
YouTube
Pinterest
Instagram
Comentários do Facebook
close

Siga-nos nas Redes Sociais!