InglêsEspanholFrancêsItaliano
Pontuação dos Vinhos Brasileiros – Minas Gerais

Pontuação dos Vinhos Brasileiros – Minas Gerais

 

Os vinhos nacionais ganham, a cada ano, mais credibilidade e respeitabilidade tanto no mercado interno como no externo. O conceito de que os vinhos brasileiros são de baixa qualidade deve ser mudado e um dos principais e mais importantes trabalhos da ENOVIRTUA é promover esta mudança, desarraigando, sobretudo, da mente do brasileiro essa falsa ideia adquirida, estimulando-o a consumir cada vez mais esse precioso néctar dos deuses.

Temos a vantagem de viver em um território de dimensões continentais, de clima e cultura extremamente variados e essas mesmas características podem ser impressas em nossos vinhos — uma vez que este é a expressão da terra e das mãos dos homens que os produzem. Além disso, é o único país no planeta com a capacidade de obter duas colheitas de vinhas por ano; uma no verão e outra no inverno.
O Brasil mudou e está mudando cada vez mais e com ele nossos vinhos que passam a ser reconhecidos no mundo inteiro por sua qualidade e fineza, podendo competir no mesmo patamar que as melhores marcas mundiais.
Apresentamos a seguir a pontuação obtida pelos rótulos da novíssima região vinícola de Minas Gerais, que começam a conquistar os melhores paladares nacionais e mundiais:

AD 87 pontos
ALMA SAUVIGNON BLANC 2012

Casa Geraldo, Minas Gerais, Brasil (R$ 19,00). Branco elaborado exclusivamente a partir de uvas Sauvignon Blanc colhidas no inverno, sem passagem por madeira. Apresenta cor amarelocitrino de reflexos esverdeados e aromas de frutas brancas e cítricas mais frescas envoltos por típicas notas vegetais e herbáceas, além de toques florais, minerais e defumados. No palato, é frutado, estruturado, tem bom volume de boca, acidez refrescante e final médio/longo agradável. Bem feito e gostoso de beber. Álcool 13,5%.

 

AD 86 pontos
PRIMEIRA ESTRADA SYRAH 2010

Vinícola Estrada Real, Minas Gerais, Brasil (R$ 65,00). Produzido exclusivamente a partir de uvas Syrah maturadas e colhidas no período de outono/ inverno, ou seja, através de podas a videira é levada a produzir uvas fora do período usual da primavera/verão, o que possibilita um ciclo mais longo, permitindo o amadurecimento mais homogêneo da fruta. Apresenta cor vermelho-rubi de reflexos violáceos e aromas de frutas vermelhas envoltos por notas especiadas e minerais. No palato, é frutado, estruturado, tem boa acidez, taninos bem resolvidos e final médio. Vale ser provado. Álcool 13,5%.

 
Fonte: Revista Adega  

 

Siga-nos nas Redes Sociais:
RSS
Seguir por E-mail
Twitter
Visit Us
YouTube
YouTube
Pinterest
Pinterest
Instagram
Comentários do Facebook