Inglês Espanhol Francês Italiano
Regras das Denominações de Origem na Borgonha – França

Regras das Denominações de Origem na Borgonha – França

Denominações de Origem na Borgonha – França

 

Assim como o clima, a temperatura, o solo e as práticas vinícolas variam de região para região e de terroir para terroir, com as Denominações de Origem não poderia ser diferente.   A vasta amplitude dos fatores que influenciam na elaboração de um vinho também exerce sua influência no conjunto de regras que determinam as normas para a produção de vinho em cada uma das regiões.   Por isso, a Enovírtua fará com você, estudioso do vinho, uma viagem através do mundo das Denominações de Origem de modo que você possa ter um conhecimento abrangente sobre um tema polêmico que vem despertando, cada vez mais, a atenção no mercado do vinho.

Denominação de Origem e Terroir — uma íntima ligação

Muito embora seja em Portugal que surgiu a primeira Denominação de Origem oficial de que se tem notícia, dada pelo Marques de Pombal para evitar as fraudes praticadas na comercialização do Vinho do Porto, aprendemos através de nosso artigo sobre o terroir que as primeiras pesquisas para definir a qualidade e origem dos vinhos eram praticadas desde a Idade Antiga, primeiramente pelos sumérios e egípcios, depois pelos gregos e romanos. No entanto, foi na França, mais precisamente na região da Borgonha, que os monges beneditinos se empenharam em compilar e catalogar dados sobre o solo, o clima e as práticas humanas que influenciavam na elaboração de vinhos de qualidade, documentos que serviram de base para as primeiras definições de terroir.

Com o objetivo de proteger a qualidade dos produtos provenientes de uma determinada região ou terroir foram criadas as Denominações de Origem, ou seja, elas estão intimamente ligadas ao terroir e à região produtora, de modo que suas regras podem variar de região para região, de país para país; o que explica a existência de denominações de origem presentes em cada país produtor, cada qual com seu conjunto de normas.
No caso específico do vinho, começaremos nossa viagem pela França com sua AOC (Appellation d’Origine Contrôlée), uma vez que ela vem servindo de modelo para as demais denominações de origem pelo mundo inteiro. Como a França é conhecida mundialmente por seus vinhos de qualidade e praticamente seus vinhos são elaborados em todas as regiões do país, vamos começar nosso estudo pelas regras da AOC em Borgonha.

Fonte:  http://www.agrocert.fr/wp-content/uploads/2011/10/logo_aoc.jpg

Normas AOC em Borgonha

Fonte:  http://technoresto.org/vdf/bourgogne/images/pyramide2.png

O sistema AOC na Borgonha usa quatro designações: Cru Régional, Cru Village, Premier Cru e Grand Cru para indicar onde as uvas foram cultivadas e que foram usadas na fabricação de vinhos em cada garrafa. Esses ranques implicam em níveis de qualidade, muito embora eles na verdade designam o local. O reconhecimento de que certas vinícolas elaboraram um vinho superior teve origem com monges beneditinos que elaboraram vinhos finos por muitos séculos na Borgonha.

Em 1935, o Instituto Nacional das Denominações de Origem (no francês: Institut National des Appellations d’Origine — INAO) foi criado com a missão de organizar o sistema das Denominações de Origem Controlada francesas.
O sistema AOC normatiza a produção dos mais finos vinhos franceses. Essas normatizações definem:

Área de Produção
Somente vinhos produzidos a partir de vinhas cultivadas dentro dos limites da denominação possuem o direito de usar aquela denominação.

Variedade de Uva
Cada área possui variedades de uvas permissíveis, que podem ser utilizadas somente em proporções específicas. Se um produtor elaborar vinho a partir de outras uvas do que aquelas permitidas ou usar porcentagens de uvas que não são permitidas, ele perderá a denominação.
Rendimento por acre
O rendimento, ou a quantidade permissível de uvas que pode ser colhida por acre está regulamentada, embora em alguns anos ela possa ser ampliada.

A prática vinícola
Como e quando as vinhas podem ser podadas, o tipo de sistema de escora e se a irrigação permitidas estão tudo dentro das normas.

O grau de álcool
Todos os vinhos AOC possuem um grau mínimo e máximo de álcool.

Práticas de Vinificação
Práticas de vinificação como a capitalização estão regulamentadas como, em alguns casos, as exigências de envelhecimento.

Fonte:  http://www.covinum.com/medias/img/guide/carte-bourgogne.png

Testes e Análises
Todos os vinhos AOC devem passar por uma completa análise química e passar pelo teste de degustação para a tipicidade, ou seja, eles devem possuir o autêntico sabor de sua espécie. Vinhos que não se enquadram nesse teste devem ser desclassificados.

Rotulação da Varietal
As leis que regem a rotulação de varietais estão começando a mudar, mas em geral, colocar o nome da variedade da uva no rótulo é proibido, a menos que o produtor tenha concedido uma permissão especial. Essa lei não se aplica em áreas onde a rotulação da varietal é tradicional.

Vamos começar com a mais comum e comercial denominação: Os Vinhos Regionais.

Vinhos Regionais

Os vinhos regionais são elaborados a partir de castas de uvas cultivadas nos vinhedos encerrados dentro da região da Borgonha.
Um vinho regional pode ser nomeado de acordo com a região de onde provém, tais como Bourgogne Côte Chalonnaise ou Bourgogne Hautes-Côtes de Nuits. Frequentemente, esses vinhos são simplesmente rotulados Bourgogne Blanc ou Bourgogne Rouge.
Existem 22 denominações regionais que produzem 52% da produção anual total da Borgonha.

Subindo a pirâmide de classificação AOC, temos a denominação: Vinhos de Village.

Os vinhos de village são produzidos com uvas cultivadas ao redor do nome do vilarejo identificado no rótulo. Os vinhos de village são feitos com uvas combinadas e cultivadas em múltiplos vinhedos. Esses vinhedos não possuem um terroir específico como em cada denominação Grand ou Premier Cru e é pouco provável que produzam uvas para elaborar vinhos excepcionais. Os vinhos são reconhecidos como de consistente qualidade superior e são relativamente baratos.
Existem 44 denominações de vilarejos ou comunas na Borgonha. Esses vinhos de village contam com 34% da produção anual na Borgonha.

Continuando nossa escalada na classificação AOC, o próximo nível de qualidade é o Premier Cru.

Premier Cru: a essência do terroir expresso na garrafa.
Em uma Classificação não oficial de 1861, cerca de 600 vinhedos particulares na Borgonha foram designados com a denominação “Premier Cru”. A denominação Premier Cru identifica vinícolas particulares que possuem um terroir com o potencial para vinhos excepcionais. Esses vinhedos foram estabelecidos e documentados pelos monges que, por séculos, elaboraram vinhos a partir das uvas neles cultivadas. Eles foram oficialmente designados como em 1935, quando no presente dia o sistema AOC foi criado.
Amplamente mal compreendido como um sistema de qualidade, as leis da AOC são uma real garantia de autenticidade. Em outras palavras, elas asseguram que o vinho na garrafa, na verdade, vem do local declarado no rótulo e fixa um conjunto de regulamentações na vinificação. Frequentemente, os melhores Grand Crus podem igualar a qualidade de Grand Crus de menor custo.
Os Premiers Crus contam com cerca de 11% da produção anual da Borgonha.
Os rótulos dos Premiers Crus fornecem a comuna e o nome do vinhedo. “Appellation Grand Cru Contrôlée” pode também ser disposto na garrafa. Frequentemente, o produtor dirá 1er Cru no lugar de Premier Cru.

Os mais raros e mais caros vinhos da Borgonha pertencem à denominação: Grand Cru.

Grand Cru: os vinhos mais finos da Borgonha.

A mais alta denominação na Borgonha é o Grand Cru. Esses vinhedos foram estabelecidos e documentados pelos monges séculos atrás e formalmente reconhecidos em 1861. As combinações de solo, exposição, chuva, vento e sol fornecem um terroir excepcional. Somente 33 vinhedos na Borgonha possuem essa designação. 32 desses vinhedos estão localizados em Côte d’Or, os restantes vinhedos Grand Cru estão em Chablis. Desses prestigiosos vinhedos, 24 cultiva a Pinot Noir e 9 a uva Chardonnay.

Fonte:  http://www.loosenbrosusa.com/sales/MasionSales/BurgundyMap-CotedOr.jpg

Fonte:  http://chablisgrandcru.com/images/chablis-wine-region-map.jpg

Os vinhos produzidos com essas uvas contam menos de 2% da produção anual da Borgonha, tornando esses vinhos raros, altamente requisitados e caros.
Somente o nome dos vinhedos aparece em uma garrafa de vinho Grand Cru.

Na próximo artigo, abordaremos a Denominação de Origem no Brasil e suas especificações normativas, de modo que possamos comparar com as demais denominações existentes no mundo e formamos uma opinião sólida sobre o assunto.

Até lá!

Fonte:  http://www.uiowa.edu/~c07w135a/wine/aocrules.html

 

FAÇA PARTE DO CLUBE ENOVIRTUA

Receba o ebook EnoExpert, brindes e descontos em nossa loja de vinhos

Leave a comment

Seja um membro do clube Enovirtua

Receba o ebook EnoExpert, brindes e descontos em nossa loja de vinhos.