Especial Uvas Italianas – Capítulo 5

Especial Uvas Italianas – Capítulo 5

Uvas Autóctones mais conhecidas na Itália

 

Chegamos ao cerne desse nosso especial, onde abordaremos de uma maneira mais precisa e descritiva as vinhas autóctones da Itália.

Todo e qualquer estudioso de vitivinicultura, seja ele enólogo ou sommelier, encontrará nesse nosso especial farto material para seus estudos e para uma compreensão mais profunda e detalhada da qualidade dos vinhos italianos e de que modo as uvas autóctones contribuem para que a Itália esteja tão à frente no ranque mundial na elaboração de vinhos finos.

O termo “autóctone”, reservado a uma uva, significa que a vinha é nascida e se desenvolveu em lugar geográfico preciso, adaptando-se ao território que o hospedou até mesmo a fundir-se com ele. Assim, como acontece com os nobres desposados que se vangloriam da árvore genealógica que se aprofunda nos meandros do tempo, assim também a uva autóctone, para ser considerada como tal, deve residir no local de origem por muitos anos.

A Itália pode se vangloriar de um patrimônio constituído de centenas de uvas autóctones de tradição consolidada, algumas muito conhecidas, outras em via de extinção. Por sorte, os vinhos produzidos com uvas autóctones hoje são de grande fama, porque são ricos em personalidade e representam uma boa resposta ao consenso mundial de gosto e de preferência.

Aglianico [Campania e Basilicata]
Fonte:  http://3.bp.blogspot.com/_bB78MtZlJs0/S6earytGmvI/AAAAAAAAATo/t2CPcjc4N6c/s320/aglianico.jpg

É uma vinha aristocrática de origem helênica e dá origem ao Campano Taurasi e ao Aglianico del Vulture. Muito difundido em Basilicata, no Vulture. O homônimo vinho apresenta um gosto seco e robusto. Pode ser também envelhecido ou espumante.
Ao Aglianico é comum dar-lhe o apelido de “Barolo do Sul”. Sua versatilidade faz dela uma das vinhas meridionais mais importantes e e seus cachos dão origem a vinhos de grande qualidade: desde rosés vivazes, frutados e de bom paladar aos tintos bem estruturados, mórbidos e longevos. A sua maior área de difusão é representada por Campania, por Basilicata, Puglia e por Molise.

Com muita probabilidade, a variedade foi trazida por colonos gregos durante o século VIII a.C., e considera-se o termo Aglianico como uma variação da palavra helênico ou helânico, sucessivamente mudada, como sugere o experiente ampelógrafo Attilio Scienza. Em Aglianico sob a denominação espanhola que durou naquela parte da Itália do sul do século VX ao século XVI. De fato, na fala ibérica o “l” dobrado se pronuncia “gl”. Uma outra hipótese sugere ao invés que o nome do termo latino “aglaia” que significa esplendor.

Qualquer que seja a etimologia, o termo Aglianico foi usado pela primeira vez em uma carta de 1559, em cuja Santo Lancerio, cantineiro do Papa Paulo III, descrevendo os vinhos da Itália para o Cardeal Guido Ascanio Sforza, assim se expressou sobre a Aglianico: “O vinho Aglianico vem do Reino de Nápoles, onde se faz um bom grego”. Andrea Bacci, médico de Paulo III, também tinha uma ou duas palavras sobre essa variedade: “É preparado com uvas mais secas, torna-se vigoroso com o carvalho e conservado em excelentes vasos. Fica, portanto, perfumado: agradável ao gosto, agradabilíssimo e estável, de elevado sabor nutritivo, corroborante para o estômago e serve como ótimo aperitivo…”.

Albana [Emilia Romagna]
Fonte:  http://winedharma.com/sites/winedharma.com/files/imagecache/auto-768/grappoli%20di%20albana%20di%20romagna%20DOCG.jpg

Originária das colinas romanholas produz vinhos secos e agradáveis, tranquilos e frisantes. Muito provavelmente foram os romanos que trouxeram a Albana para a Romanha. Alguns afirmam que essa variedade tomou seu nome dos morros de Albana, situados ao sul de Roma; outros defendem que a palavra deriva do latim “albus” que significa “branco”. A uva que se obtém desta vinha é uma verdadeira e própria fábrica de açúcar, por outro lado possui uma acidez alta com elevada quantidade de taninos nas sementes e na casca. O vinho que se obtém é particularmente adequado ao envelhecimento em madeira. Em 1987, a Albana Romanha teve o privilégio de ser o primeiro vinho branco italiano a receber a designação DOCG.

A zona de produção da Albana da Romanha se concentra nas províncias de Forlì, Ravenna, Bologna e na ponta extrema do vale do rio Po, entre os Apeninos e o Adriático. Aqui o solo, rico em fósseis, é uma mistura de argila, calcário, marga e areia. O clima é continental, com invernos frios e verões quentes e secos. Sob a DOC Albana da Romanha são produzidas quatro tipologias de vinhos: o seco, o suave, o doce e o passado. O Albana seco tende a ser um branco leve e vivo, para ser consumido jovem. O suave é fresco, frutado e deliciosamente doce e possui uma gradação alcoólica mínima de 12°, característica que encontramos também nas versões doces. Mas o vinho passado é que ganhou o mais importante reconhecimento internacional.
Quando é elaborado com uvas atentamente selecionadas por produtores especilizados, o Albana Passado é rico, suculento e sedutor. A produção desse vinho pode ser feita de dois modos: pode-se deixar a uva madurar por mais tempo diretamente sobre a vinha, ou então, pode-se colher os cachos e colocá-los para secar lentamente sobre telas ou esteiras, em cômodos bem ventilados. A vinificação deve ser levada adiante antes em cisterna de aço inoxidável ou em barris. A gradação alcoólica mínima desse vinho é de 15,5° e deve ser envelhecido pelo menos por seis meses.

A maioria dos vinificadores, todavia, envelhecem seus vinhos por dois ou quatro anos. Em média, são produzidos anualmente menos de 200.000 garrafas de Albana passado. Com a Albana se produz também um espumante: para a elaboração desse vinho doce e aveludado (que possui uma gradação alcoólica mínima de 15°), os cachos de Albana são colocados para ficarem passados por um breve período antes da pressagem. Nas colinas bolonhesas, ou seja, na zona limítrofe das colinas da Bolonha, a Albana é misturada com a Trebbiano romanhola para produzir um branco seco leve chamado Colli Bolognesi Bianco.

Albarola [Liguria]
Fonte:  http://1.bp.blogspot.com/-aOeKhR9Jtq8/UE4hHAH1KKI/AAAAAAAABnM/qokOcQZNtUk/s1600/albarola+grapes.jpg

Essa vinha poderia ter se originado na Toscana, onde é ainda usada como componente menor em alguns brancos, como o Candia dei Colli Apuani. Na Ligúria, é o componente mais importante dos vinhos das Cinco Terras e, sob o nome de Bianchetta Genovese, a uva é ocasionalmente vinificada também sozinha. Contribui igualmente para reforçar alguns outros brancos de Ligure.

Aleatico
Fonte:  http://www.comune.gradoli.vt.it/img/uvar.jpg

Essa variadade, muito provavelmente, é uma variação do Moscato Negro. Na Itália, essa vinha foi introduzida pelos gregos em tempos muito remotos. Hoje, por ser difusa em muitas regiões da península,é cultivada principalmente na Toscana, em Puglia, no Lazio, na Campania e na Sicília, onde acrescenta um toque doce, semelhante ao do moscato, com o perfume das uvas locais. A vinha entra em diversos disciplinários como componente de diversos DOC. O mais importante desses são o Elba Aleatico e o Val di Cornia na Toscana e o Aleatico de Gradoli no Lazio e vários DOC presentes territorialmente em Puglia.

Albaranzuelibianco [Sardegna]
Fonte:  http://2.bp.blogspot.com/-qWwJX1j072A/UAqS4lcYxTI/AAAAAAAAANc/zHEi61UXt-o/s1600/albillo.gif

Essa vinha sardenta com bagas brancas, denominada também de Albillo ou Albicello, possui uma homologia genética como Albanello que margeiam o siciliano. Trata-se de uma vinha rústica, porém, produtiva, resistente ao critogama, a ponto de dar bons resultados enológicos, sobretudo se vinificado com outras varietais locais. A sua origem é bastante incerta, provavelmente de longa proveniência espanhola, está atualmente em via de extinção. A sua difusão, extremamente limitada, mantém em alguma comunas de Oristanese, onde é denominada Lacconargiu ou Lacconarzu, e alguns velhos vinhedos de Nuorose. Nao são notáveis as características organolépticas dos vinhos elaborados da sua vinificação em pureza.

Arvesimiadu [Sardegna]
Fonte:  http://www.saporedivinoenoteca.it/img/vitigni/vitigno_8.jpg

Essa vinha, provavelmente autóctone, sardenta e também em risco de extinção. Conhecida com o nome de Arvu Siniadu, Argu Ingiannau ou Uva Oschirese, é difusa esporadicamente na província de Sassari, às vezes em Campidano. É uma vinha muito vigorosa com cachos grossos e alongados, muito esparramados e com bagas pequenas, bem adaptado a terrenos leves de colina, preferivelmente de granitos. Suas uvas são exclusivamente vinificadas junto com outras vinhas para a produção de vinhos brancos comuns, por conseguinte, nao se conhece características organolépticas peculiares.

Arneis [Piemonte]
Fonte:  http://countrybred.com/cms/wp-content/uploads/2010/12/arneis-grapes_Photo-courtesy-Consorzio-di-Tutela-Barolo-Barbaresco-Alba-Langhe-e-Roero.jpg

Está reconquistando importância em Piemonte na área de Alba, depois de sua quase extinção. Essa variedade é cultivada em Piemonte na província de Cuneo. A maior concentração de vinha s encontra na margem esquerda do rio Tanaro, na zona do Roero. Sua primeira citação é de 1478, onde em Canale se fala de uma vinha moscatelli e renexiy. A Arneis é solitamente vinificado seco, mas alguns produtores o fazem também em uma versão doce depois de deixar passar a uva.
Raramente é usada junto com outra variedade local (Favorita, Cortese) como base para espumante. O nome Arneis deriva do termo piemontês arnèis, que indica um personagem travesso. Nos tempos antigos, uma fila ou duas desta variedade é sempre plantada nas vinhas de uva tinta a fim de que a maturação prematura das uvas preservasse a colheita das tintas do ataque das vespas.

Como o número de uvas autóctones italianas é muito vasto, abordaremos esse especial em ordem alfabética, de modo que você, enólogo, sommelier ou enófilo possa tirar o máximo de proveito desse especial e dividir seu estudo por partes.

Até o próximo capítulo!

 

Comentários do Facebook
FAÇA PARTE DO CLUBE ENOVIRTUA

Receba o ebook EnoExpert, brindes e descontos em nossa loja de vinhos

No Comments

Give a Reply

Seja um membro do clube Enovirtua

Receba o ebook EnoExpert, brindes e descontos em nossa loja de vinhos.