História da Garrafa do Vinho – parte 2/3!

História da Garrafa do Vinho – parte 2/3!

 

A garrafa de vinho contemporânea possui diversos formatos, apesar de que a norma em vigor na maior parte dos países seja de 750 ml. Mas por que 750 ml e não um litro ou meio-litro? A razão é histórica: na época em que o vidro soprado tornou-se o material mais popular para armazenar o vinho, o consumo médio cotidiano para um homem europeu era de 750 ml. Todavia, é preciso lembrar que o vinho da época estava longe de conter tanto álcool como o de hoje.

 http://www.ampelos31.fr/le-blog/wp-content/uploads/2012/05/formes.jpg

Os diversos formatos de garrafa possuem nomes precisos e, às vezes, estranhos a maior parte deles tomados do Antigo Testamento. Os nomes variam de acordo com o uso das normas de Bordeaux, de Champagne ou de Bourgogne.

Capacidade Bordeaux Champagne / Bourgogne
375 mililitros fillette meia-garrafa
750 mililitros frontignan garrafa
1,5 litros (2 garrafas) magnum magnum
2,25 litros (3 garrafas) marie-jeanne
3 litros (4 garrafas) double magnum Jeroboão
4,5 litros (6 garrafas) Jeroboão Rehoboao
6 litros (8 garrafas) imperial Matusalém
9 litros (12 garrafas) Salmanazar Salmanazar
12 litros (16 garrafas) Baltazar Baltazar
15 litros (20 garrafas) Nabucodonosor Nabucodonosor
18 litros (24 garrafas) Melchior Salomão
50 a 60 litros (64 a 80  garrafas) Dame Jeanne*

 

http://www.cavusvinifera.com/images/content/bouteille/bouteilles_2.jpg

 

Os eruditos que queriam fazer envelhecer o vinho apreciavam mais que tudo os grandes formatos: do magnum ao imperial (Bordeaux), pois estes continham menos oxigênio por volume, isso favorecia um envelhecimento do vinho mais lento e controlado.

 

 

Comentários do Facebook

No Comments

Give a Reply